sábado, 3 de dezembro de 2011

O tempo segue em frente

17:25 Posted by O Blog dos Espíritas , , , No comments
Por Octávio Caúmo Serrano

Seria o tempo que passa ou nós que passamos pelo tempo? Lá se vai o primeiro ano da segunda década do terceiro milênio. E tudo continua como antes. Em meio ao Apocalipse, nós, os atores desta triste novela do final dos tempos, insistimos em continuar vivendo.

Há alternativa? Não, não há. Temos de viver porque a nossa vida não pertence a nós, mas ao Pai que nos criou. Se tentarmos abandonar o barco no meio da tormenta, teremos problemas futuros piores do que os atuais. Se quisermos nos matar, não conseguiremos porque somos imortais. Que fazer, então?

Só nos resta uma opção: seguir em frente, aproveitando a oportunidade e compreender que os males do mundo são produzidos pelos homens. Deus nos criou para a felicidade e se não a encontramos é porque a buscamos de maneira e em lugar errados. Já diz o poeta santista Vicente de Carvalho, em um de seus sonetos, “Velho Tema”, que “essa felicidade que supomos, árvore milagrosa que sonhamos, toda arreada de dourados pomos, existe, sim: mas nós não a alcançamos, porque está sempre apenas onde a pomos e nunca a pomos onde nós estamos”.

Falta ao homem descobrir que a felicidade só pode ser obtida quando produzida no interior do coração é nos labirintos da consciência. Inútil buscá-la do lado de fora, nas coisas do mundo porque elas podem nos trazer alegria efêmera, mas nunca a felicidade. O prazer que nos dão o carro novo, o diploma de doutor, a casa na praia ou a viagem ao exterior, são pequenos quando comparados à felicidade que o Plano Divino tem para nós. Já disse Jesus “vós sois deuses”, mas nós não entendemos o que Ele afirmou ou não acreditamos por sermos ainda crianças espirituais!

Queremos a paz no mundo e enquanto ela não vem também não conseguimos ter a nossa própria. Condicionamos nossa paz interior à paz coletiva e na ausência dela esquecemos que podemos ter a nossa, independente da paz do mundo.

Vivemos presos à aflição, medrosos e assustados. Sentimo-nos vítimas da corrupção, da poluição, do tráfico, da insegurança e do abandono diante das enfermidades. Isto impede que tenhamos serenidade, paciência e esperança, o que demonstra nossa pouca fé. Temos a impressão que o barco está à deriva em meio à procela e que o timoneiro perdeu o controle. Todavia quem dirige o barco é Deus e Ele nunca deixa o leme.

A Doutrina dos Espíritos diz-nos que somos espíritos imortais em provação e expiação num planeta inferior que está, como nós, progredindo também. Será brevemente um mundo de regeneração, habitado por espíritos um pouco melhores do que os atuais. E a seleção já está se processando.

Todos nós podemos nos qualificar a viver no novo mundo desde que construamos nossa própria história de vida. Ela se faz pelas obras que executamos e também pela aceitação da vida que temos atualmente. Sabedores de que nossa história não começou na Terra, nesta encarnação, entenderemos que muitos mistérios envolvem nossa caminhada espiritual. Se estamos vivendo mais uma experiência concedida pela misericórdia divina, tratemos de aproveitar a oportunidade para ser melhor do que já somos. Por isso devemos agradecer a Deus pelos testes porque é superando barreiras que crescemos como espíritos.

Muitas outras coisas tiram a nossa paz: a enfermidade, o parente difícil, a dificuldade financeira, o amigo ingrato. Observem que tudo isto são defeitos do mundo que é habitado por espíritos em aprendizado. Uns mais outros menos, somos todos alunos de uma escola primária em se tratando de graduação espiritual. Por isso não conseguimos administrar nossa mente que geralmente se liga às coisas inferiores. Um mínimo de contrariedade provoca total desequilíbrio, fazendo-nos errar contra os outros e contra nós mesmos. Habitualmente dizemos que alguém nos fez perder a paciência. Mas como podemos perder o que não temos? O verdadeiro paciente jamais perde a paciência. Somos, no máximo, controlados que nos esforçamos para ser polidos, educados, camuflados sob um verniz de superioridade que na verdade não mostra o qu e somos.

Para ter paz é preciso que a construamos individualmente. Para tanto é preciso vencer nossas inferioridades, numa luta titânica de nós contra nós próprios. O maior inimigo do homem mora dentro dele. Ninguém pode lhe fazer mal a não ser ele mesmo. Os desastres do mundo são experiências necessárias e somente encarando-os com fé e serenidade poderemos vencê-los.

O Espiritismo nos ensina que é preferível ser vítima a ser réu. Quando somos vítimas o erro é do outro e é ele que terá de responder pelo que fez. Quando somos nós o carrasco, o erro é nosso e nós é que teremos que prestar contas. Não é preferível ser vítima agora sem ter de carregar para a espiritualidade uma consciência manchada que poderá custar-nos séculos de escuridão e provações?

O tempo na Terra é um átimo quando comparado ao tempo da espiritualidade. Se lá séculos são segundos, imaginemos o que representam noventa ou cem anos de encarnação no corpo físico.

Vamos construir a nossa própria paz, esperando que possamos ser exemplos de fé para os que nos rodeiam. Entre as definições de paz no dicionário Aurélio, há uma que diz: “paz é a ausência de conflitos íntimos; tranquilidade de alma; sossego”. Só quando as partes forem boas é que o todo será bom. Não se pode esperar um planeta feliz se seus habitantes são pessoas desventuradas. Já diz o cancioneiro Nando Cordel que “a paz do mundo começa em mim; se eu tenho amor com certeza eu sou feliz!”

RIE - Revista Internacional de Espiritismo - Dezembro de 2011

0 comentários:

Postar um comentário